Mercado imobiliário começa a reagir mesmo em meio à crise | CRECI/DF
Banner topo

Brasília, 21/06/2018

Mercado imobiliário começa a reagir mesmo em meio à crise

Depois de amargar os reflexos da crise econômica, o mercado imobiliário começou a reagir. Somente em dezembro de 2017 movimentou R$ 33 milhões.

O setor que contribuiu para essa arrecadação foi o de venda de apartamentos, o chamado residencial vertical. Mas o que tem levado os fortalezenses a escolher este tipo de moradia?

A segurança é a principal justificativa para quem escolhe um apartamento.”Condomínio fechado, tem portaria, porteiro e zelador, tem tudo”, relata morador de um condomínio.

As áreas de lazer e a privacidade também são fatores decisivos para quem deixa as casas de lado para morar em prédios. “Tem academia, dentro do condomínio, piscina, área de lazer que dá para ter uma qualidade de vida melhor”, fala moradora.

Bairros como Meireles, Aldeota e Papicu se destacam na preferência de quem vai comprar um apartamento. Os compradores também buscam comodidade, locais mais próximos de centros comercias, por exemplo.

O segmento residencial vertical é a base do mercado imobiliário. Atualmente, são ofertadas cerca de 5.000 unidades de estoque em Fortaleza. Os especialistas apostam em 2018 como um ano de crescimento nas vendas. “Inflação sob controle, empregos voltando. A gente acredita que vai ser um ano bom”, afirma Ricardo Bezerra, sócio-proprietário da Lopes Immobilis.

Fonte: Tribuna do Ceará