Crescimento do mercado imobiliário em 2018 | CRECI/DF
Banner topo

Brasília, 25/05/2018

Crescimento do mercado imobiliário em 2018

DA REDAÇÃO CRECI/DF

O Conselho regional de Corretores de Imóveis do DF (CRECI/DF 8ª Região) participou nesta terça-feira, 06/02, do seminário “As perspectivas do mercado imobiliário a partir do IVV” realizado pelo Sindicato da Construção Civil do DF (Sinduscon/DF). O evento reuniu Corretores de Imóveis, representantes das entidades do setor e empresários da construção civil para discutirem o atual cenário imobiliário da capital federal.

Desde o segundo semestre de 2017, o mercado mostra recuperações no número de negociações imobiliárias. “Estamos no momento de uma retomada positiva no mercado de Brasília, a crise baixou o número de vendas mas, o que vemos agora é que o cliente está voltando a comprar, o que vai garantir recursos para novos investimentos”, disse o presidente do CRECI/DF Hermes Alcântara.

As instituições financeiras brasileiras, já se posicionaram quanto ao mercado,  e a maioria dos bancos privados já se mostram favorável ao setor. O Bradesco estima aumento de 15% em 2018, e que “a tendência do credito imobiliário é crescer, passar de 101 para 112 bilhões, o que possibilita um crescimento gradual do mercado em até 10% neste ano”, disse o presidente da Câmara Brasileira da Construção Civil, Celso Petrucci. Outro fator importante mostrado por Petrucci é o cenário político, “dependendo do próximo presidente, os novos recursos irão continuar para os anos subsequentes”.

O presidente da ADEMI/DF, Paulo Muniz mencionou as invasões no DF sendo um dos gargalos à cidade e que deve ser combatida. No âmbito das negociações, Paulo afirmou que com a nova fase do setor, os bancos terão de confiar nos empreendedores para garantir novas construções, já que “o estoque de imóveis prontos foram vendidos até o início de 2017 e agora as vendas são das unidades na planta”.

A burocracia do estado e a falta de recursos no mercado também estão entre os problemas listados pelos empreendedores da cidade. Em 2011, foram construídos 84 empreendimentos este número se reduziu a 12, em 2017. “O investimento imobiliário no DF foi deixado de lado nos últimos governos, hoje estamos criando ambientes propícios para que o mercado volte a se multiplicar e beneficiar a cidade economicamente” afirmou o secretário de Economia, Desenvolvimento, Inovação, Ciência e Tecnologia do DF, Valdir de Oliveira. Segundo o secretário, um dos projetos, é segurança econômica, onde ficará permitido a transferência de obras para outro empreendedor, quando o primeiro não consegue terminar a construção.

Mais vendas e mais negócios na cadeia produtiva em 2018

Índice médio anual de velocidade de vendas foi 24% maior do que o de 2016 e 57% superior ao de 2015. Empresas do setor imobiliário observam demanda aquecida e projetam crescimento de vendas em 2018

Profissionais do Texto
Agência de Imprensa da Ademi-DF

“Para 2018, temos convicção que a compra de imóveis será o melhor negócio para se realizar no Distrito Federal. Estamos muito confiantes, em razão dos indicadores sólidos de que dispomos e que dividimos com a sociedade por meio da pesquisa do IVV”, avalia Paulo Muniz, presidente da Ademi-DF.

Muniz acrescenta que os negócios mais volumosos no segmento imobiliário já aquecem as vendas na cadeia produtiva no atacado e no varejo e também na prestação de serviços. “A venda de um imóvel faz com que uma série de empresas, em especial de micro e pequeno porte, observem aumento na demanda por serviços e produtos em todo o DF”, afirma Muniz.

Para Luiz Carlos Botelho, presidente do Sinduscon-DF, o ano de 2018 será alvissareiro para o mercado imobiliário. “Há razões para otimismo, trazido pela clara retomada das vendas, como mostra nossa pesquisa”, explica. “Com as soluções propostas pelas novas leis distritais, vamos obter mais celeridade na aprovação de projetos, emissão de alvarás e cartas de Habite-se. O número de lançamentos vai aumentar e o mercado vai aquecer”, acrescenta.