BRB pode destinar até R$ 500 milhões para a casa própria | CRECI/DF
Anuidade 2019 – Banner Topo

Brasília, 17/06/2019

BRB pode destinar até R$ 500 milhões para a casa própria

Ainda que a retomada do setor imobiliário seja lenta, o Banco de Brasília (BRB) reservou R$ 350 milhões em seu orçamento para financiar a construção imobiliária no Distrito Federal em 2019. Mas fontes da instituição admitem a empresários do setor que o valor poderá chegar a R$ 500 milhões.

Esse desembolso maior do que o previsto inicialmente decorre da perspectiva de reaquecimento da demanda pela casa própria na capital do país, conforme apontam pesquisas mais recentes. Se atingir a meta máxima de R$ 500 milhões, os desembolsos para o mercado imobiliário vão quintuplicar. Em 2018, valor alocado pelo BRB foi bem inferior: R$ 90 milhões.

Além dos R$ 500 milhões para a construção, o BRB firmou parceria para utilizar, pela primeira vez, sua linha de crédito exclusiva voltada à aquisição de lotes urbanos, ou seja, para financiar a compra de terrenos em condomínios 100% regularizados, desde a fase de concepção do projeto. Até então, esta linha, que conta com R$ 50 milhões, vinha sendo destinada à aquisição de terrenos em áreas que passam por regularização fundiária.

O acordo inédito foi assinado entre o BRB e a incorporadora ECAP Engenharia, que lançou o Condomínio Le Jardin, situado a 16 minutos da Ponte JK, no Setor Habitacional Tororó, região Sul do Distrito Federal. Os lotes poderão ter até 70% do valor financiados pelo BRB em, no máximo, 20 anos.

Segundo Rodrigo Nogueira, Presidente da ECAP Engenharia, a iniciativa do BRB “significa a derrocada do mercado ilegal de lotes na capital federal, que convive com essa ilegalidade fundiária há muitos anos, com consequências críticas para toda a população”.

Segundo Rodrigo Nogueira, Presidente da ECAP Engenharia, a iniciativa do BRB “significa a derrocada do mercado ilegal de lotes na capital federal, que convive com essa ilegalidade fundiária há muitos anos, com consequências críticas para toda a população”.

Fonte: Correio Braziliense